24 de setembro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
2/06/21 às 10h25 - Atualizado em 2/06/21 às 10h26

Vicente Pires já tem 130 km de vias asfaltadas

COMPARTILHAR

Obras avançaram com 110 km de novas calçadas e 260 km de meios-fios. Investimento é de mais de R$ 450 milhões

As obras na cidade de Vicente Pires não param. Operários e máquinas trabalham duro em vários locais para oferecer conforto e segurança à população. Um investimento de R$ 450 milhões do Governo do Distrito Federal (GDF) já liberados e mais R$ 46 milhões previstos em licitação que está em andamento.

Ao todo, a Secretaria de Obras e Infraestrutura já executou 130 km de pavimentação asfáltica por toda a região administrativa (RA). No sistema de drenagem, foram mais 128 km com a criação de redes pluviais e o uso do método tunnel liner, que aprimora a captação da água das chuvas. Além disso, já são 110 km de calçadas e 260 km de meios-fios colocados.

São grandes reformas como as das Ruas 4, 7, 8 e 12. Essa última dá acesso à EPCT (Estrada Parque Contorno) e ao Pistão Norte de Taguatinga. A Agência Brasília percorreu na semana passada  as quatro vias para acompanhar as mudanças e ouvir a população local.

A Rua 12, com seus 3,2 km de extensão, é onde fica o comércio de estofados do empresário Lucas Nogueira, 45 anos de idade. Ali, já são 2 km novos de asfalto e infraestrutura. Um trecho de 500 metros está em andamento, com escavações para a capa asfáltica de 1 metro. Para o comerciante, é um “transtorno momentâneo”, mas que dará resultado.

“Desde que cheguei a Vicente Pires, há cinco anos, não vi uma mudança drástica na cidade. Esse pacote de obras que o governo trouxe foi muito bom para nós, moradores”, elogia Lucas. “Veja o tamanho da galeria de águas pluviais que está sendo feita aqui. Ela vai acabar com os alagamentos constantes”, emenda Lucas.

Segundo o secretário de Obras, Luciano Carvalho, a intervenção no trecho está indo bem. “A rede de drenagem está pronta, mas as chuvas recentes atrapalharam o serviço de pavimentação. No momento, estamos retirando o lixo que está sob o asfalto, já que era um aterro sanitário”, explica. “Logo a rua estará toda completa”, complementa.

Na Rua 8, um túnel está sendo construído sob o asfalto. São as obras de construção da rede de drenagem, que vai coletar as águas pluviais dos condomínios e comércios das ruas 7, 8, 10 e da avenida principal da Vila São José. A tubulação com extensão de 1.457 metros teve um custo de cerca de R$ 16 milhões.

Já a Rua 7, que tem 1,8 km de extensão, foi transformada. Asfalto novinho, bocas de lobo e meios-fios podem ser notados ao longo de toda a via. O local era um problema para a cidade, conforme lembra o administrador da RA, Daniel de Castro. “É uma pista em declive e quando chovia, era terra, lama, alagamento. Até manifestação a população já fez aqui. O governador determinou e arrumamos com prioridade”, pontua.

Uma das avenidas que cortam toda a cidade, a Rua 4 passa pelos serviços finais de drenagem em uma de suas travessas. Apesar de não estarem totalmente concluídos, os benefícios já são sentidos pela população. “Essa rua do meu prédio era um caos. Já vi motor de carro pifar aqui em época de chuva, além de buracos. Melhorou demais, principalmente a qualidade do asfalto”, aponta a dona de casa Taynah Godoy, 31 anos.

“Aqui vamos beneficiar cerca de 100 mil moradores. Eles vão rodar melhor, ter mais mobilidade, segurança, conforto e menos trânsito”, aposta o administrador. “Moro aqui há 12 anos e posso dizer com convicção que Vicente Pires se tornará uma das melhores cidades para se morar do DF”, acrescenta Daniel.

Ponte da Rua 4

Muito além das ruas, outras obras avançam pela cidade. Entre elas, a da ponte que liga a Rua 4 à Avenida da Misericórdia, no Setor de Chácaras Samambaia. A construção já atingiu 90% de conclusão. A ponte terá 82 metros de extensão e 13,8 metros de largura. O investimento é de R$ 2,3 milhões.

“Quem mora em Vicente Pires e quer ir para a Estrada EPTG dá uma grande volta e pega trânsito. Essa ponte liga a Rua 4 e sai na Avenida da Misericórdia e cai praticamente ali no Taguaparque”, afirma o administrador Daniel de Castro. “É uma economia de tempo e trânsito. A previsão é que ela seja entregue no segundo semestre”, destaca.

Uma estrutura de 40 metros sobre o Córrego Vicente Pires – na via marginal da Estrada Parque Ceilândia (DF-095) – também está sendo levantada, sob a responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Ao custo de R$ 3,1 milhões, a ponte vai beneficiar cerca de 20 mil motoristas que gastarão menos tempo no trânsito e evitarão pistas de grande fluxo de veículos como a via expressa da Estrutural.

Números das obras em Vicente Pires

  • 128 km de drenagem
  • 130 km de pavimentação asfáltica
  • 110 km de calçadas
  • 260 km de meios-fios

Confira o andamento das obras  

  • Rua 7 – Os serviços de drenagem, pavimentação asfáltica, construção de meios-fios e instalação de bocas de lobo foram concluídos na via. Falta apenas a execução de calçadas. A rua mede 1,8 km.
  • Rua 8 – Seguem as obras de tunnel liner na rua, para dar funcionalidade ao sistema de captação de águas pluviais. O túnel tem 1,5 km de extensão. Operários trabalham no local. Rua está parcialmente liberada.
  • Rua 12 – Reforma dos 3,2 km da via em andamento. Cerca de 2 km já estão concluídos com drenagem, asfalto, meios-fios e calçadas. Os serviços em um trecho de 500 metros, ainda não-finalizados, foram retomados semana passada. A drenagem já foi concluída. No momento, máquinas e operários trabalham na retirada do lixo. A próxima etapa é a instalação dos ramais de drenagem em frente aos condomínios, para em seguida iniciar o restante da reforma. Está em andamento processo licitatório para execução do trecho situado entre a Chácara 140 e a Rua 10 B.
  • Rua 4 – Sistema de drenagem, pavimentação, calçadas e meios-fios concluídos. No momento, operários trabalham em um trecho de 500 metros, onde está sendo refeito o sistema de drenagem com a instalação de dois pontos de visita (acesso no asfalto para verificação da rede pluvial). As adjacentes 4A, 4B, 4C e 4D foram todas recuperadas. Esta intervenção está sendo executada no método tunnel liner.

Fonte: RAFAEL SECUNHO*, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

 

Mapa do site Dúvidas frequentes Comunicar erros